::Confraria do Júri::

Se você é promotor ou procurador de Justiça, associe-se à Confraria do Júri. Saiba como: confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
05/09/2017  - TJ-MS é a Corte que mais julga casos do Júri no Brasil
 
TJ-MS

A Justiça estadual tem conseguido dar efetividade e uma resposta rápida aos crimes que mais chocam a sociedade – os homicídios. Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), referentes à chamada Meta Enasp, o Tribunal de Justiça de MS figura em primeiro lugar, proporcionalmente, como a Corte que julga mais processos de competência do Tribunal do Júri – há pelo menos três anos. Evitar que estes crimes caiam no esquecimento é o maior legado deixado à sociedade, é o que diz o presidente do TJMS, Des. Divoncir Schreiner Maran.

Com um cumprimento de 50,8% da Meta Enasp (julgar ações penais de crimes dolosos contra a vida iniciadas até 31 de dezembro de 2012 (denúncia recebida) e que não tenham sido julgadas até 31 de outubro de 2016, excluídas as suspensas), o presidente do Tribunal de Justiça explica que estar na frente de todos os outros Tribunais do país se deve ao engajamento dos magistrados sul-mato-grossenses em dar uma resposta célere e efetiva à sociedade.

“O que se deve evitar, sempre, é que estes crimes dolosos contra a vida caiam no esquecimento. O que significa, no aspecto formal, que não incida uma prescrição. E os nossos juízes têm feito o seu melhor e evitado que sejam retardados os julgamentos, envidando todos os esforços para realizar mais julgamentos em menos tempo”, ressalta o Des. Divoncir Schreiner Maran.

Desde 2015 o Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul desponta em primeiro lugar no cumprimento da Meta Enasp e, apesar das dificuldades que envolvem o julgamento do tribunal do júri, um processo mais burocrático que os demais, “os processos têm razoável tramitação e os casos em que nossos juízes não conseguem finalizar o processo são por questões alheias”, como explica o juiz auxiliar da Presidência do TJMS, Luiz Antonio Cavassa de Almeida.

O juiz cita a extensa faixa de fronteira, que MS tem com Bolívia e Paraguai, como um destes entraves. “Nosso Estado, além de ser um corredor do crime, principalmente na questão do tráfico de drogas e armas, para manter esta rede criminosa muitos homicídios são cometidos nesta faixa de fronteira. E as dificuldades existem para levar os acusados para um julgamento”, diz Luiz Cavassa, enfatizando que “apesar da posição geográfica desfavorável, os magistrados têm se revelado bem produtivos”.

A alta produtividade também se deve pelo grande investimento em tecnologia da informação com o uso de videoconferência, na fase instrutória e, também, durante a realização do julgamento. Um dos exemplos ocorreu em novembro do ano passado, quando a 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande realizou o julgamento por videoconferência do réu N.P., que está preso na cidade de Guarulhos, em São Paulo, evitando 4 mil km de deslocamento, gastos da escolta com diárias e combustível e, ainda, os riscos inerentes do transporte de um detento.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247